Clã Savert

Fórum do Clã Savert, o seu clã de RPG online. Visite também nossa comunidade no Orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=13573699
 
InícioFAQRegistrar-seMembrosGruposConectar-se

Compartilhe | 
 

 conto> Noites paulistanas capitulo 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
miny
Membro
avatar

Mensagens : 9
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: conto> Noites paulistanas capitulo 2   Qui Maio 15, 2008 6:58 pm

23 de outubro de 2007, 02:00.
Hospital das Clinicas

Silvia desperta mais uma vez, não consegue mexer nem um músculo, soube que sofreu um acidente, esta em coma, mas como ela pode estar nesse estado sendo que consegue ouvir e ver, não de uma maneira normal, acontece que depois de um tempo ela conseguia ver o que acontecia fora de seu corpo. Parecia que sua alma vagava, no começo ficava apenas no quarto, mas agora ela consegue ir longe ver sua mãe que esta sofrendo para pagar suas contas hospitalares, o maldito do seu chefe ira lhe demitir ela sabe disso, irônico não alguém assim estar conseguindo ver essas coisas.
Ele fala com imponência diante de um espelho em quanto ageita sua gravata Européia, ele é belo tem um olhar maduro e alguns cabelos brancos aparecem em sua especa cabeleira negra, sua pele parece leite.
--por que não me da o direito de agir no mundo, meu DEUS, sabes que levaria apenas um instante para eu conseguir limpar tudo. O homen parece literalmente falar com DEUS.
Ele desiste e resolve sair há alguém que ele tem que recrutar, essa noite.

23 de outubro de 2007. 12:29.
Galpão dos caçadores

Will esta restabelecido, infelizmente não recebeu nem uma dica dos chefes, ele sabia de meia dúzia de seres que poderia caçar mas fazer isso sem autorização seria pedir para morrer, ele olha e vê Ian e Alan conversando, ele esta ficando apegado aos garotos e isso é mal para ele.
--Hei, Ian mi conta como você entrou nessa vida cara?
--Hum, não sei por onde começar... Reponde Ian não muito animado.
--há vamos lá Ian conte como foi que veio parar aqui. Insiste Alan animado em saber, Ian respira fundo puxando um cigarro, começa a falar com sua voz firme.
--bem foi a um bom tempo... Quando eu ainda nem dirigia...
--mas oque me trousse a esse mundo não foi isso e sim Ele... Ian fica quieto afinal falar com o corretor é estranho.
--como ele te achou? Pergunta Alan interessado.
--ele apareceu numa viagem que fiz com minha namorada e nos recrutou... Ian fala com a voz tensa, da pra notar uma pontadinha de tristeza.
--não sabia que tem namorada Ian!
--Tinha... Responde Ian deixando a palavra morrer no silencio em quanto tem a mente completamente preenchida por memórias.

23 de outubro de 2007, 9:47.
Hospital das Clinicas

Silvia acabara de abandonar o corpo, estava estérea pairando pelo quarto quando sente um baque potente, como se algo lhe apertasse o peito.
O homen dá dois toques na porta antes de adentrar o quarto da nova recruta, ele a vê numa cama, com uma aparelhagem ligada ao corpo que esta coberto apenas por um fino lençol branco.
Silvia ainda pairando no quarto quase querendo voltar ao corpo vê um homen branco entrando no quarto ele é estranho nunca notara alguém daquele tipo, parecia que ele era alguém melhor que ela em muitos aspectos.
--sei que esta me vendo... O homen fala parando ao lado da mulher que esta em coma.
--quero que preste a tenção no que irei falar. Ele faz uma pausa como se espera-se uma aceitação da mulher enferma e prossegue iniciando uma narrativa.
--posso tirar-lhe desse lugar posso levar você de volta a vida e não terá mais que pairar sobre o mundo vivendo uma semivida... Mas como nesse mundo ninguém faz nada de graça terá que trabalhar para mim em minha empresa.
Silvia esta espantada, como ele sabia que ela estava ali? Será que devo aceitar, pensa com sigo mesma, e continua a observar.
--deve pensar por um tempo, não lhe forçarei nada, mas se quiser pegar quem fez isso com você ou quem matou seu amigo motorista... Esteja amanha na capela do hospital... Ele termina de falar e vira-se abandonando o quarto.Silvia esta atônita o homen fala e quando toca na pessoa que causou isso a ela. A mulher sente vontade de matar alguém, se pudesse teria gritado que aceita no instante que ele disse, mas teria que aguardar.

23 de Dezembro de 2006, 23:55.
Catedral São Siciliano, Roma, Memórias de Ian.

Ian esta nervoso, era natural para ele estar assim, ele olha para Helena ela esta leve segurando sua mala admirando a catedral, as mãos de Ian estão agitadas ele as põe nos bolços, o encontro seria em breve.
--Hell, vamos nos aprontar logo aquela coisa vai aparecer... ta tudo certo com o padre?
--ma é claro que esta Ian lembra que Ele livra a barra sempre... Ela fala feliz, o Chefe gosta dela, sempre a ajuda. E jovem começa a subir a escadaria e adentra a catedral gótica seguida de seu namorado e parceiro de caçada.
--Ian olha pra isso como é lindo. Ela fala admirada com a catedral que esta iluminada a luz de velas, as fileiras de bancos estão alinhadas, a varias pequenas capelas e os vitrais nem se fala são belos com imagens cristãs, e mais adiante esta o altar mor no centro da imensa nave da Catedral.
--Hell procure um bom lugar para o tiro, e pelo amor de DEUS, corra se acontecer algo comigo, antes de tudo eu ti amo, e não quero que nada lhe aconteça. A voz de Ian é sóbria e dura. Ele sempre agia assim quando tinha que matar alguma coisa.
--pode deixar Ian... Não erro com essa belezinha. Ela fala indicando a maleta que trás com sigo.
--e nunca vou correr vendo você morrer... Ela termina a frase dando um beijo apaixonado e o largando sem ar para ir procurar o lugar de onde atiraria. Ian Vai até o altar-mor e lá aguarda impaciente, alguns minutos depois vê Helena diante do vitral central da Catedral montando seu arco de caça, ele sorri, tinha sorte em ter ela que alem de linda sabia cuidar dele sempre.
Ian espanta isso da cabeça e se concentra olhando o relógio.

23 de Dezembro de 2006, 00:00.
Catedral São Siciliano, Roma

As portas da catedral são escancaradas por um homen negro com, sobretudo esvoaçante, ele gargalha auto sem notar Helena no teto da catedral.
--HAHAHA APENAS UM HUMANO PARA ME ENFRENTAR? ISSO CHEGA SER UM DESAFORO! O homem negro grita parando a apenas 3 metros de Ian.
--Sou mais que capacitado para lhe rançar a garganta sua anomalia! Retruca Ian sacando sua espada, não é algo belo, mas algo feito para matar, a lamina é composta do mais puro aço pode cortar um membro facilmente.
--Tem coragem garoto, pena que morrera aqui! Grita o homen com seus olhos tornando-se rubros, garras e presas a saltarem de suas mãos e boca ele ataca Ian com suas garras. Mas infelizmente Ian é bom com a espada e consegue bloquear o golpe potente do inimigo.
Segue-se uma cena bizarra onde chispas de ferro quente saltam do choque entre a aço da espada e o poder negro das garras da fera, o duelo é tremendo, mas Ian logo fica cansado, o sanguessuga num golpe bem aplicado consegue desarmar Ian e o empurra contra o altar. Ian cai batendo dolorosamente as costas e arquejante tenta se proteger, o monstro se aproxima do homen caído e se prepara para dar o golpe de misericórdia.
--Ti peguei... Murmura helena ao soltar os dedos liberando a corda do arco que impulsiona a flecha, a flecha voa rumo ao monstro que no ultimo instante vira-se e pega a flecha com suas garras.
--AHHHHHHHHH, SABIA QUE TERIA COMPANIA! MAS NÃO POR MUITO TEMPO! O homen flexiona as pernas, é tudo muito rápido.
Ian vê o homen saltar uma distancia incrível e cobrir Helena com seu manto, os dois estilhaçam o vitral atrás deles com a inércia do monstro.
Helena aflita recebe o agarram da fera é arremessada contra o vitral no meio da queda sabe que ira morre, mas levara a fera com ela. Saca sua Estaca de prata e finca no peito da Fera em plena queda.
-- HELENAAAAAAAAAAAAAAAAA, NÃOOOOOOOOOOOOO. Ian grita vendo a namorada sumir no meio dos destroços do vitral, sua reação é rápida. Um baque surdo é ouvido do lado de fora da catedral, Ian corre e quando sai vê o maldito por cima de Sua amada, ele esta se desfazendo em uma chama que consome o corpo o tornando cinzas, helena ensangüentada no chão respirando dificilmente.
-- HELENAAA. Ian corre chegando a tempo de ver os olhos de Helena perderem o brilho com um sorriso no rosto. Ian cai em lagrimas amaldiçoando todo e qualquer ser rastejante que não deveria estar nesse mundo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Barbosa
Organizero de Bagunça
Organizero de Bagunça
avatar

Mensagens : 165
Data de inscrição : 06/01/2008

MensagemAssunto: Re: conto> Noites paulistanas capitulo 2   Seg Jun 16, 2008 3:17 pm

miny seus contos serão removidos para a aprte de cordel agradeço a compreenção

_________________
Twisted Evil Em noites de lua cheia é possivel me ouvir uivar! Cuidado Posso estar mais próximo que imagina! Twisted Evil
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
conto> Noites paulistanas capitulo 2
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Lúcifer Estrela da Manhã: Um conto de Demônio o preço do poder
» Big Apple (Nova York by Night) - O Conto da cidade Vampirica .
» A Junção do Desenvolvimento - Nível: Iniciante - Capitulo 1: Módulo HTML
» [Spoiler][Cap 704] Capitulo Foda
» Conto: O bosque

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Clã Savert :: Literatura de cordel Savert :: Cordel-
Ir para: